Humildade

Segundo definição do Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, humildade é a virtude que nos dá o sentimento da nossa fraqueza.

A palavra “humildade” tem sua origem no grego antigo, e sua fonte foge um pouco do conceito que temos do termo. A palavra que originou “humildade” foi a grega HUMUS, que significa “terra”. Este mesmo vocábulo da antiga Grécia também deu origem as palavras “homem” e “humanidade”. Significando primeiramente “terra fértil” e “criatura nascida da terra”, se desenvolveu até ter o significado que conhecemos hoje. “Humilde“, obviamente tem a mesma origem em HUMUS, e vem do grego HUMILIS, que significava literalmente “aquele/aquilo que fica no chão”. (https://www.gramatica.net.br/origem-das-palavras/etimologia-de-humildade/).

Na antiguidade muito remota, os moradores das margens do Rio Nilo aguardavam com grande expectativa, a época das cheias pois, logo em seguida, as mencionadas margens estariam repletas de húmus. Assim, poderiam processar as semeaduras, porque logo mais, teriam colheitas abundantes. Reforçamos a origem da palavra humildade, que vem de húmus (matéria orgânica em decomposição que serve de alimento/adubo para o crescimento de todos os elementos do meio biótico).

Humildade é a capacidade que uma pessoa tem de fazer a outra crescer. Como exemplo, a capacidade que um chefe de determinado serviço possui, de evidenciar o trabalho de um coordenado, funcionário ou subalterno, de maneira
a oportunizar o crescimento deste. É o adubo que alimenta a evolução de todos. Nos torna instrumentos para o desenvolvimento daqueles que compartilham nossas experiências e caminham ao nosso lado durante nossa
jornada.

É a virtude que consiste em conhecer as suas próprias limitações e fraquezas e agir de acordo com essa consciência. Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a
elas. A Humildade é considerada pela maioria das pessoas como a virtude que dá o sentimento exato do nosso bom senso ao nos avaliarmos em relação às outras pessoas.

Características como cordialidade, respeito, simplicidade e honestidade, embora sejam frequentemente associadas à humildade, são independentes. Portanto, quem as possui não precisa necessariamente ser humilde.

As religiões tendem a associar a humildade ao reconhecimento da superioridade divina. Todos os seres humanos são iguais aos olhos de Deus, devendo agir e comportar-se como tal.

Para o Budismo a humildade é a consciência que se tem do caminho a levar para se libertar do sofrimento.

Do ponto de vista da filosofia, Immanuel Kant afirma que a humildade é a virtude central da vida, uma vez que dá uma perspectiva apropriada da moral.

Para Friedrich Nietzsche, em contrapartida, a humildade é uma falsa virtude que dissimula as desilusões que uma pessoa esconde dentro de si.

Walber Luidhy afirma que “Nossa humildade é testada todos os dias, a partir de nossas atitudes e ações”.

Para além das diferenças em termos de conceito, muitos há partilham da visão sobre a humildade como sendo a característica que leva as pessoas a realizarem uma ação sem proclamar os seus resultados.

Emmanuel, através do livro “Pensamento e vida”, psicografado por Francisco Cândido Xavier, nos esclarece que a humildade reflete-se em todos os domínios da natureza, patrocinando o progresso e a renovação. Afirma que tal virtude é o reconhecimento de nossa pequenez diante do universo e que a falta dela, faz surgir na alma humana, sentimentos doentios, tais como o orgulho, a cobiça, o egoísmo e a vaidade, que por sua vez, geram discórdia
e delinquência. Sem humildade, a criatura sente-se proprietária exclusiva dos bens que a cercam, sem se atentar da condição transitória do espírito nos carreiros evolutivos. Nessa condição, a alma acolhe facilmente o desespero
e o ciúme, o despeito e a intemperança, que geram a tensão psíquica, causando depressão nervosa e desequilíbrio emotivo, ulceração e disfunção celular, chegando até mesmo à loucura e dolorosos conflitos passionais. A criatura
que carrega em si a virtude da humildade, aceita sem constrangimento, a obrigação de trabalhar e servir em benefício de todos. A Humildade não é servidão, mas sim independência que nasce no íntimo do espírito, oferecendo
apoio à permanente renovação para o bem, olvidando o mal, para recomeçar alegre e diariamente a tarefa do amor.

Jesus, nosso mestre, guia e modelo da humanidade, ao descer das plenitudes da vida maior nos legou a grande lição da humildade, nasceu na cidade pequenina de Belém, tendo como berço as palhas da singela manjedoura, inicia sua trajetória entre os mais simples da Galiléia, onde montou o seu colégio apostólico, para a grande missão de edificar o reino de Deus no coração da humanidade. Causou com o seu exemplo de vida, tão grande impacto, que dividiu a história da humanidade em antes e depois dele, despedindo deste mundo no madeiro infamante da cruz mas, de braços abertos e cabeça erguida, deixando em sua trajetória um rastro de luz a guiar nossos passos no caminho para o Pai.

Antonio Ferreira dos Santos Neto
Colaborador do Grupo Scheilla